“Divino Pai Eterno representa amor, alegria, paz, tudo”, diz devoto

  11 de July de 2017 • 11h47

Paulo Roberto Essig mora em Maquiné (RS) e é em Trindade (GO) que passa os períodos de férias do trabalho. Este ano, ele participou da Romaria do Divino Pai Eterno e conversou com nossa equipe sobre o que a devoção ao Pai Eterno representa em sua vida. Este assunto foi destaque do Programa Pai Eterno, no quadro “Em Nome da Vida”.

Já são nove anos de devoção ao Divino Pai Eterno. Um amor que vem crescendo ao longo do tempo e que deixa o Paulo cada vez mais próximo da sua fé. Este ano, ele veio durante a Festa em Louvor ao Pai Eterno. Viajou cerca de dois mil quilômetros até Trindade. “É um momento muito especial estar aqui. Eu me sinto muito feliz. É muita paz no meu coração quando chego aqui”, afirmou.

Na cidade interiorana do Rio Grande do Sul, há oito anos, Paulo conheceu a devoção por meio de uma devota. “A minha mãe trabalhava na casa de uma senhora, que acompanhava as novenas do Divino Pai Eterno. Minha mãe, inclusive, acompanhava alguns momentos de oração e tomava a água benta. Então, a gente, em casa, começou a acompanhar as novenas e ficou conhecendo a devoção”, explicou.

Para ele, que sempre foi de família católica, conhecer a devoção ao Pai Eterno foi uma mudança de vida: “a gente se fortaleceu mais na fé. A gente tem mais esperança e aconteceram muitas coisas boas”.

Dessa vez, Paulo Roberto acompanhou a missa no Santuário Basílica, mas, quando está em casa, no Sul do país, é pela televisão que ele e a família assistem à celebração. Pela fé, muitas graças já foram alcançadas. Todas elas, ele atribui ao Divino Pai Eterno. “Meu pai, em 2011, teve câncer no intestino e usou durante dois anos e quatro meses uma bolsa colostomia e recebeu um grande milagre, que foi a cura”, contou. Também o irmão de Paulo recebeu a graça pela fé: “ele sofreu dois acidentes de moto, um acidente de carro, e, graças a Deus, não ficou com sequelas e está bem”.

Paulo também é um associado da Afipe, desde 2010. “Desde que eu conheci a devoção e comecei a acompanhar as novenas, eu me senti tocado para ajudar. Então, em 2010, senti mesmo o chamado e me associei, recebendo a primeira carta em outubro. De lá para cá, todos os meses faço minha colaboração. Vejo que é muito importante o trabalho realizado a partir da Associação Filhos do Pai Eterno”.

Sobre o que a devoção representa em sua vida, Paulo explicou: “o Pai Eterno é tudo. Sem Ele, eu não estaria aqui, não teria acontecido tantas coisas boas que aconteceram na minha vida nos últimos anos. O Divino Pai Eterno representa amor, alegria, paz, tudo”.

Veja também:

O Programa vai ao ar de segunda a sexta-feira, às 7h45, com reapresentação às 10h45. Você pode acompanhar todas as edições pelo Canal Pai Eterno, no YouTube, e também assistir pelo portal paieterno.com.br, na página do Programa Pai Eterno

Fonte: Afipe

Veja Também